terça-feira, 25 de julho de 2017

O Império Romano

Olá 2º semestre do Curso de Licenciatura em História (UNEB/2017.1):

Com base nas informações do capítulo de Eyler (2014) faça o seu comentário para iniciarmos a nossa discussão:

EYLER, Flávia Maria Schlee. O Império Romano. In: ______. História Antiga: Grécia e Roma. Petrópolis: Vozes, 2014, p. 191-200.

Obs.: A discussão ficará ficará aberta até dia 29/07 (Sábado).

segunda-feira, 13 de março de 2017

Varnhagen e a História do Brasil

Turma do 6º semestre do Curso de História (UNEB/Eunápolis, 2017.1) que cursam a disciplina Historiografia Brasileira, logo abaixo se encontra o link do capítulo em PDF que vai nortear a nossa discussão:

RIBEIRO, Renilson Rosa. “O escrupuloso iluminador da História do Brasil”: os enredos cronológicos e temáticos da 1ª edição da História Geral do Brazil, de Francisco Adolfo de Varnhagen (1854/1857). Patrimônio e Memória. UNESP, v.7, n.2, p.86-108, dez.2011.

*Observações:
  • Não esquecer de incluir ao final de seu comentário o seu nome.
  • A discussão ficará disponível no blog até 18/03/2017 (sábado) às 23:59 h.

Fonte Fecunda

Alunos do 4º semestre do Curso de História (UNEB/Eunápolis, 2017.1) que cursam a disciplina Laboratório: História, literatura e quadrinhos, logo abaixo se encontra o capítulo em PDF que vai nortear a nossa discussão:

FERREIRA, A. C.. A fonte fecunda. In:PRINSKY, C. B.; LUCA, T. R. de (orgs). O Historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2015, p. 9-28. 


*Observações:
  • Não esquecer de incluir ao final de seu comentário o seu nome.
  • A discussão ficará disponível no blog até 18/03/2017 (sábado) às 23:59 h.

Ilíada e Odisseia

Alunos do 2º semestre do Curso de História (UNEB/Eunápolis, 2017.1) que cursam a disciplina Grécia e Roma: Aspectos da Antiguidade, segue abaixo o link do capítulo que norteará a nossa discussão:

VIDAL-NAQUET, Pierre. Pequena história de dois poemas. In: ______. O Mundo de Homero.São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p. 13-36.


*Observações:
  • Não esqueça de incluir em seu comentário o seu nome.
  • A discussão ficará disponível no blog até 18/03/2017 (sábado) às 23:59 h.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Dona Hermínia e a Ciência

Dona Hermínia mostra nesse vídeo de maneira muito bem humorada como a Ciência vive de verdades provisórias.
Click na imagem ou click AQUI.

Conhecimento Científico e o Show da Luna

Ao assistir um episódio do Show da Luna podemos ter a oportunidade de perceber como se desenvolve uma linha de raciocínio que leve a formulação de um problema científico conhecimento científico, a formulação de uma hipótese, a escolha de um método, a pesquisa em si e finalmente a divulgação dos resultados. No caso aqui, sempre Luna e Júpiter divulgam as informações que encontraram através de um show bem criativo para um adulto.
Para assistir ao episódio completo click na imagem ou click AQUI.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Existe racismo no Brasil?

O documentário abaixo denominado O Negro no Brasil (2013) aborda a questão que discutimos em sala de aula: a existência do racismo cordial na cultura brasileira.

Click na imagem ou click AQUI.

Os índios e as suas crianças diferentes

Logo abaixo (click na imagem) se encontra uma reportagem acerca dos costumes de algumas tribos indígenas brasileiras relacionados aos nascimentos das crianças.
Assista o vídeo e responda com atenção  aos questionamentos referentes ao assunto que já se encontram em seu caderno.

Click na imagem ou click AQUI.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Etnocentrismo e Tarzan.

Olá alunos do 9º ano do Colégio São Jorge dos Ilhéus:

Logo abaixo está disponível a cena do filme Tarzan (1999), por favor assista e responda em seu caderno o seguinte questionamento: O que Tarzan precisa aprender ou se tornar para ser considerado civilizado? 
Click na imagem ou click AQUI.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

0,50 centavos de Grécia Antiga: Os fogões poderosos de Ares e Afrodite

Por Jacquelyne Queiroz

            Em 2010, estava andando nas ruas de Vitória da Conquista (BA) pesquisando o valor de alguns móveis, quando me deparei com dois fogões com nome de Ares e Afrodite. Percebi que além de fogo eles também poderiam facilmente me dar 0,50 Centavos da Grécia Antiga. Depois pensando melhor compreendi que poderia lucrar um pouco mais, pois apesar de serem dois fogões, notei que ali haviam três deuses gregos.
Fonte: Acervo pessoal.

       Afrodite era a deusa que oferecia as “dádivas doces aos mortais”, seduzindo e fazendo despertar a paixão (H.H., X, 1-6). Era ainda a deusa da beleza, pois quando foi apresentada aos demais deuses, ficaram tão impressionados com o que viram que todos queriam se casar com ela (KERÉNYI, 2015, p. 67). Afrodite utilizava um cinto que continha o desejo e o amor que perturbava até os mais prudentes (Ilíada, XIV, 214-217).
            Ares era o deus da guerra. Ele sempre encontrava prazer nos combates, nas contendas e nas lutas (Ilíada, V, 890-891). Homero nos diz que Ares era uma figura gigantesca, pois quando Atena derrubau Ares com uma pedrada e este tombou, se estendeu ao solo por uma extensão de sete jeiras (700 pés = 213 m) (Ilíada, XXI, 403-409).
            Aqui entra a terceira divindade grega que mesmo sem ter o nome nos fogões percebi a sua presença entre neles: o deus Hefesto. Deus da metalurgia e do fogo. Muito inteligente e habilidoso, tinha a sua importância reconhecida entre os imortais. Mas tal fato também não impedia dele ser alvo de chacota para alguns deuses por ter os pés deformados (BRANDÃO, 1991, p. 138).
Segundo algumas narrativas, Afrodite era esposa de Hefesto e amante de Ares. Mas Hélio (o deus Sol), que tudo testemunha e nada passa aos seus olhos, sabia que os amentes se encontravam às escondias e tratou de alertar Hefesto. Então, o deus ferreiro criou correntes resistentes, bem finas e quase invisíveis como teias de aranhas e as prendeu sobre a armação da cama para surpreender os amantes. O plano de Hefesto foi bem sucedido, pois ao deitarem no leito, Ares e Afrodite ficaram presos “sem que pudessem mover um só membro” (Odisseia, VIII, 266-320).
A maioria dos fogões são feitos de ferro e tem como objetivo produzir fogo. Mas, apesar do deus da metalurgia e do fogo ser Hefesto, os fogões que me deparei nas lojas de Vitória da Conquista (BA) levavam os nomes de Ares e Afrodite. Na tentativa de relacionar a função da divindade grega ao objeto, então... o fogão Ares deve proporcionar refeições que deem coragem para vencer a batalha do dia (ao enfrentar o transporte público ou passar em uma avaliação difícil), sentir o calor da guerra do trabalho (ou da escola). Talvez ainda queiram ser tão grandes como a divindade ou pretendem sentir melhor o gosto do sangue ao cozinharem galinha ao molho pardo.
Acredito que os que preferirem adquirir o fogão Afrodite almejam produzir alimentos cheios do fogo da paixão, abastados de sabores e odores que seduzam facilmente as pessoas. O seu proprietário se tornará mais bonito(a), sexy e conquistará o seu amado(a) pelo estômago. Será que esses fogareiros são as novas armaduras de guerra de Ares e são os cintos da sedução de Afrodite? Na dúvida... é sempre bom sabermos que além de um fogão poderemos ter uma divindade morando em nossa cozinha.

REFERÊNCIAS:
BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. v. I. Petrópolis: Vozes, 1991.
HOMERO. Hinos Homéricos I e do VI ao XXXIII (Versão bilíngue). Tradução e estudo de Luiz Alberto Machado Cabral. São Paulo: Odysseus, 2009.
______. Ilíada (versão bilíngue). v. 2. Tradução Haroldo de Campos. São Paulo: Arx, 2002.
______. Ilíada (versão bilíngue). v. I. Tradução Haroldo de Campos. São Paulo: Arx, 2003.
______. Odisseia (versão bilíngue). Tradução, posfácio e notas de Trajano Vieira. São Paulo: 34, 2012.
KERÉNYI, Karl. A Mitologia dos gregos. v. 1. Petrópolis: Vozes, 2015.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A Proclamação da República

Queridos e amados alunos do 8º ano (Colégio São Jorge dos Ilhéus/2016):

Logo abaixo se encontra o vídeo que trabalhamos em sala de aula para compreendermos melhor a Proclamação da República.

Clica na imagem ou clica AQUI.

domingo, 18 de setembro de 2016

Documentos e Fontes

ATIVIDADE para o 5º Semestre - História/UNEB (2016.1):

A logo abaixo se encontra disponível dois capítulos que abordam acerca da importância das fontes para o trabalho dos pesquisador da área de História e da cautela que devemos ter diante dos documentos que estão carregados de aspectos de monumentos.

ECO, Humberto. A Pesquisa do Material. In: ______. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 2016, p. 45-54.


LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: ______. História e Memória. Campinas: UNICAMP, 1990, P. 535-551.

Após a leitura deixe registrado o seu comentário (pequeno) acerca  dos aspetos do capítulo.
* ATENÇÃO:
  • A discussão estará disponível no blog Sofia e as Corujas até o dia 23/09 (sexta) até as 22 h.
  • Além de contar como parte do crédito, o seu comentário irá validar a sua presença na disciplina Metodologia da Pesquisa em História para o dia 19/09/16.

Iahweh e o Reino de Israel

ATIVIDADE para o 3º Semestre - História/UNEB (2016.1):

A logo abaixo se encontra disponível o capítulo  do livro Antiguidade Oriental: Política e Religião. O capítulo analisa a influência da religião monoteísta durante o processo de formação do Reino de Israel.

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Das Tribos de Iahweh do Reino de Israel. In: ______. Antiguidade Oriental: Política e Religião. São Paulo: Contexto, 1997, p. 60-72.


Após a leitura deixe registrado o seu comentário (pequeno) acerca  dos aspetos do capítulo.
* ATENÇÃO:

  • A discussão estará disponível no blog Sofia e as Corujas até o dia 23/09 (sexta) até as 22 h.
  • Além de contar como parte do crédito, o seu comentário irá validar a sua presença na disciplina Ásia: Aspectos da Antiguidade para o dia 19/09/16.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Filmes Ruins, Árabes Malvados.

Alunos da disciplina Ásia: Aspectos da Antiguidade (2016.1/UNEB), logo abaixo se encontra o documentário Filmes Ruins, Árabes Malvados: Como Hollywood Vilificou um Povo (2007). O documentário nos faz perceber com mais clareza quanto o orientalismo (conceito trabalhado por Eduard Said) está tão presente em nossa sociedade.
Assista... você gostar!
Para assistir o documentário click AQUI ou click na imagem.